Growth hacking: o que é e como usá-lo para crescer?

Muito se ouve falar, principalmente entre as empresas de tecnologia, sobre o termo Growth Hacking. Inclusive, se diz que a chave do sucesso no marketing digital do futuro está atrelada às estratégias de Growth Hacking aplicáveis ao negócio.

Bem, mas o que exatamente esse termo quer dizer e de que forma essas estratégias poderão fazer o seu empreendimento crescer mais? Conheça a seguir:

growth hacking

Contextualizando melhor, as técnicas de Growth Hacking se baseiam no estudo das experiências vividas pela sua empresa, buscando melhores práticas a partir de experimentos e hipóteses.

Ainda parece confuso?

Vamos criar uma relação de semelhança com o termo hacker, que todos conhecem.

Hacker é o indivíduo que estuda como alguma coisa funciona, nos seus mínimos detalhes, para adaptá-la e fazê-la funcionar ainda melhor. 

É o indivíduo que conhece tão bem o terreno em que está pisando, que consegue se aproveitar de falhas e vulnerabilidades nunca antes percebidas, infelizmente, atuando de forma maliciosa e criminosa em alguns casos. Daí vem o preconceito quanto à imagem dos hackers.

Ou seja, assim como o hacker vasculha sistemas em busca de vulnerabilidades, executam testes, desafiam a segurança, apontam pontos fortes e fracos, o Growth Hacker é um profissional capaz de fazer a mesma coisa em seu negócio, com ajuda do marketing, da tecnologia e da criatividade, procurando “brechas” para crescer os resultados de um negócio.

Qual a importância do Growth Hacking?

O Growth Hacking atua como um agente importante na busca de resultados, pois é com base em testes e experimentos que a empresa consegue descobrir, aos poucos, formas de atrair o potencial cliente para a empresa.

Exemplos de Growth Hacking:

Orkut

O Orkut foi por um tempo a rede social preferida dos internautas brasileiros.

Fundada em 2004, numa época em que a internet estava começando a crescer, o Orkut se destacou por adotar a seguinte estratégia: convidar usuários não ativos na rede social.

Não era qualquer pessoa que podia usar a rede, você tinha que ser convidado por um amigo via e-mail.

E isso acabou trazendo milhares de usuários a utilizarem a plataforma, pois despertavam nessas pessoas o gatilho de escassez, conforme descrito por Cialdini.

DROPBOX

O Dropbox é um serviço online de compartilhamento de arquivos em nuvem, muito similar ao Google Drive.

O Growth Hacking que eles utilizaram foi simples e objetivo.

A cada usuário que você convidava para se inscrever na plataforma, a capacidade de armazenamento de arquivos no login da conta aumentava.

Linkedin

O Linkedin é uma rede social voltada exclusivamente para trabalho e negócios, muito diferente do Facebook.

Os engenheiros do Linkedin perceberam a alta busca de perfis através do Google, e o growth que eles adotaram foi tornar público as contas dos usuários e empresas cadastradas na plataforma, de modo com que as mesmas fossem procuradas aleatoriamente na primeira página do Google.

Com esse hack a empresa conseguiu alcançar mais de 200 milhões de usuários ativos.

Ciclo do Growth Hacking

Para ser possível garantir com excelência a adoção dessa prática, é necessário trilhar algumas etapas primordiais para o desenvolvimento do growth hacking.

Sem elas, dificilmente será possível obter crescimento, no entanto, anote os próximos passos a seguir:

1. Brainstorm

O Brainstorm vai servir para compreender em quais esforços o time de marketing poderá investir as primeiras ações de growth hacking, se vai ser através de downloads de materiais ricos, ou aumentar a assinatura de newsletter no blog, entre outros. Existe uma infinidade de ações a ser tomadas.

2. Modular experimento

Feito a etapa do Brainstorm, agora é hora de modular o experimento do growth.

Quais serão os atributos essenciais para conter no experimento? De repente pode se tratar de itens associados a uma landing page com testes A/B, por exemplo.

Qual o resultado que pretendo alcançar com esse hacking? É sempre importante lembrar de métricas e o objetivo principal com a tática adotada.

3. Executar

Depois de realizado as etapas 1 e 2, finalmente você colocará a mão na massa, pois será o momento de executar o planejamento de modo visível para as pessoas.

4. Mensurar resultados

A quarta e última etapa será mensurar os resultados obtidos.

Você fará uma análise crítica e meticulosa sobre o experimento, observar elementos que possam ser melhorados, e retomar à pratica novamente, até de fato acertar em cheio a audiência e aprender a garantir resultados expressivos com a prática de growth hacking.

Funil de Growth Hacking

Muito similar ao funil de marketing, existe também o funil do growth hacking, que é constituído da seguinte forma:

  1. Aquisição – Uso de boas práticas para atrair o potencial comprador da sua oferta.
  2. Ativação Quando o objetivo se centraliza em entregar a melhor experiência possível ao usuário.
  3. Retenção – Consumidor que já teve ciência da sua marca, e continua a realizar contato regularmente.
  4. Receita – A partir do momento em que o negócio começa a gerar retorno financeiro.
  5. Indicações – Contato direto com amigos e conhecidos para se tornarem clientes.

Benefícios do Growth Hacking

Agora que você já entende o procedimentos e as etapas do growth hacking, abaixo listamos alguns benefícios de uso dessa prática para sua empresa:

  • Resultados mais rápidos;
  • Aumento de competitividade (já que empresas de todos os portes podem se beneficiar dessa prática);
  • Retenção de clientes;
  • Novas oportunidades de negócios

Gostou do tema?  Assine nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades do blog da GDD!

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *